Nós por dentro


Nos últimos tempos tudo à minha volta tem convergido para me fazer pensar na separação que fazemos entre a nossa pessoa e os outros. Toda a gente usa, várias vezes por dia, expressões como «as pessoas», «os portugueses», «os europeus», «as mulheres», «os homens», etc., normalmente para nos situarmos em relação - e normalmente numa posição diametralmente oposta e moralmente muito mais bonita - a esses grupos.

Isto faz tanto sentido como aquela anedota dos dois grãos de areia que vão no deserto e em que um se vira para o outro e diz «Psst! Acho que estamos a ser seguidos...».

As pessoas somos nós. E se reconhecemos comportamentos chatinhos nos outros, é porque já os tivémos e graças a [inserir objecto de culto] conseguimos ter o discernimento para os compreender e abandoná-los. Ou não. «As pessoas não respeitam o ambiente» - diz para a câmara de TV o respeitável cidadão carregado de lindos sacos metalizados com compras de Natal em plástico made in China por criancinhas de 5 anos.

Nutra coisa que reparei (e isto aplica-se directamente ao parágrafo anterior) é como é fácil inventar a maldade em tudo o que é exterior ao nosso invólucro de pele. É como olhar para uma parede branca de 2x3 m e o olhar ficar preso no pontinho de tinta preta que está lá. A beleza está nos olhos de quem vê, e a atracção pelo feio também deve ter algo a ver com as tendências do observador. Lá dizia o filósofo que não podemos observar nada sem o modificarmos - e curiosamente mais tarde a Física veio comprová-lo.

Ou seja... ecológicos, ambientalistas, compassivos, simpáticos, prestáveis, íntegros e integrados, generosos, etc., só vale a pena sê-lo por nós próprios, para cumprir com o que queremos ser. Podemos ser muito ecológicos, mas os únicos capazes de ver a verdadeira motivação por trás disso somos nós. Os outros vão ver o que bem lhes apetecer*. So...how ecologic do you feel now;)?


_________________________________________________________________

*O que também se aplica no sentido contrário, explicando o facto de muitas princesas acabarem no estômago de um crocodilo quando na verdade pensavam que iam beijar aquilo que viam como um lindo sapo.

4 comentários:

Desambientado disse...

Por obséquio,
Faça um presépio,
Tenha um Natal,
De amor fraternal.
Mantenha os petizes,
Cobertos de amor,
Protegidos, felizes,
Sem eleição de cor.

Nesse seu presépio,
Deite o seu menino
No aurículo ou ventrículo
Do seu coração.
Um Natal a sério,
Também é um hino,
Ou um bom estímulo,
À fraternal comunhão.

Votos de que neste Natal o egocentrismo entre em crise e que haja uma pandemia de saúde.

0.04 disse...

Felizes Festas, Polegar verde





"From the olden days and up through all the years
from Arcadia to the stone fields of Inisheer
guess who I've been dancing with
The great god Pan is alive!"

***

Manuel Rocha disse...

Hum...apreciei esta "maturação"...;)

leprechaun disse...

Excelente! Este blog biológico está delicioso! :)

Também gosto bem desse ditado da caridade que começa em casa, e mesmo o amor ao próximo deve ser como o que nutrimos por nós mesmos... não esquecer!

Bem, agora é que não posso ficar só por aqui, que com tanta energia até me ri! :D