Demónios e snooker



_Andei ler um livro que me levou de volta aos meus 16 anos quando andava indecisa entre a Física e a Biologia. Hoje sei que teria feito a mesma escolha que mas que se tivesse ido para Física seria mais fácil arranjar emprego (mas não tinha passado pela experiência inesquecível de me encontrar uma dia na costa Galega enterrada em lodo até aos joelhos e com uma lesma marinha de meio quilo nas mãos).

Há alguns séculos, quando maior parte da ciência na Europa era especulada dentro da cabeça de alguns privilegiados que não precisavam de cavar os campos para viver e os alunos de 12º ano não tinham pesadelos com exames nacionais de Física, alguns senhores com demasiado tempo livre nas mãos começaram a pensar. Um deles chamava-se Newton e conseguiu escrever equações que explicam o movimentos das bolas de snooker e dos planetas. Este conhecimento podia-lhe ter ganho dúzias de taças em campeonatos de snooker se ele tivesse nascido na altura certa

Já mais tarde, outro senhor chamado Marquês de la Place, que também tinha tempo livre a mais, concluiu que, estando tudo no universo sujeito às mesmas leis que podem ser escritas por equações matemáticas:

1º. Primeiro, se tivéssemos um super computador onde pudéssemos meter tods as variáveis que dizem respeito ao mundo presente (a velocidade todas as bolas de snooker, a posição de todos os jogadores, a força de todas as tacadas) ele poda usar todas as equações para nos dar... o futuro!

2. Por outro lado, se todas as partículas de matéria são regidas pelas leis da física, desde que houve o 1º choque de átomos a seguir ao Big Bang que todos os movimentos entre átomos e futuras bolas de snooker estão determinados, incluindo os movimentos da bolas dentro da tômbola do euromilhões na próxima 6ª feira;

3. Por último, e esta é a conclusão mais irritante de todas, sendo tudo regido pels leis da física mas na falta de super computadores, e dada a enorme quantidade de variáveis que afectam as bolas de snooker (o pano da mesa, as mossas na bola, a qualidade do giz, o estado alcoólico do jogador, etc), apesar do futuro já estar determinado, é impossível conhecê-lo...

_
A esta impossibilidade de conhecer aquilo que sabemos que é determinável mas vai estar sempre fora do nosso alcance, chamou-se o Demónio de laPlace. Einstein bem dizia que Deus não joga aos dados com o Universo, ou seja nada acontece por acaso. Mas é sem dúvida um grande adepto de snooker.


PS: O livro chama-se "A Fórmula de Deus" e foi escrito por José Rodrigues dos Santos

1 comentários:

Ana disse...

:) sinto que o futuro "determinável" é uma utopia. pois as variáveis mudam a cada segundo. é vogar ao sabor do vento ;) beijos de lua