boicote aos combustíveis/ ao comodismo? II

Há falta de combustível nos postos de Lisboa e Porto [link]. Quando eu abri a boca para criticar os preguiçosos que usam o carro para ir ao ao café da esquina [link], caíu-me meio mundo em cima a acusar-me de ser má para os coitadinhos que gastam um dinheirão em gasolina na deslocação para o emprego, caso totalmente diferente. Sinal evidente de que:
a) o analfabetismo em Portugal é mais abundante que a gasolina;
b) a quantidade de comodistas é abundante, e quem precisa mesmo de abastecer o depósito para ir trabalhar está a sofrer de escassez de um bem que lhes é essencial por causa da preguicite crónica de outros. Amigos proletários consumidores de crude, batei-vos pelo óleo que vos pertence por direito!

Mas se hoje a Selecção Portuguesa ganhar tenho a certezinha que não vai haver crise, paralização de camionistas, cigarros fumados pelo Sócrates, greve de pescadores ou conflito na faixa de Gaza que impeça o pessoal de ir para a rua buzinar e fazer alarido. DE CARRO.

Cada um tem o que faz por merecer. Diz o povinho e diz bem. E obrigado à senhora das caipirinhas [link] por me chamar a atenção para este paradoxo.

6 comentários:

nuno miranda ribeiro disse...

lembro-me de ser prática corrente, num dos vários empregos que tive, os meus colegas partilharem carro. iam e vinham do emprego 4 em cada carro, sendo que cada um levava o carro durante uma semana, passando depois o testemunho, quer dizer, o volante, ao próximo.

conheço pessoas que usam regularmente a bicicleta, como transporte. eu, enquanto vivi no Porto, usei quase sempre transportes, mesmo quando tinha carro, andava de metro e autocarro.

não estamos tão mal como nos EUA, em que os condutores não querem abdicar de carros ultrapotente e ultrapoluentes. mas ainda assim, custa-nos abdicar do conforto, da privacidade e do egoísmo de ir para o emprego como único ocupante de um carro.

na cidade em que vivo agora é mesmo deprimente a situação. é tão bracarense andar de carro que parece haver uma apatia no que toca a procurar alternativas. os transportes são escassos e de má qualidade em Braga. a explicação talvez seja a óbvia e estúpida: há poucos passageiros, pouca gente interessada em ser utilizador dos transportes públicos. e por isso não se investe na melhoria dos transportes. como não se investe, mantém-se a péssima oferta. e não se cativa os condutores a deixarem-se conduzir. ciclo vicioso: há poucos passageiros, então não se investe, como não se investe...

ah!, nisto dos protestos, não só em Portugal mas em vários países europeus, escandaliza-me que se proteste contra os governos, apenas. porque não se faz de uma vez um boicote às grandes petrolíferas?, manifestações junto às suas sedes, porque não se inunda as suas caixas de correio com abaixos-assinados exigindo um mercado justo? parece-me má tendência esta de culpar o governo por tudo, e achar que baixar impostos é uma boa forma de combater monopólios e cartéis.

Hugo Jorge disse...

O Presidente da Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis recomenda a compra de uma bicicleta.

http://diario.iol.pt/economia/combustiveis-filas-portugal-postos-anarec/961393-4\
058.html

Saiba como utilizar a bicicleta na cidade:

http://bicicletanacidade.blogspot.com/

http://100diasdebicicletaemlisboa.blogspot.com/

Rita disse...

obg hugo!!!

KALI, desesperadamente humana. disse...

Aqui eu vou andando pro trabalho, so nao vou andando pra faculdade porque fica fora da cidade, mas eu vou de onibus.

Se eu puder ir andando pra um lugar eu vou, e assim, alem de ecologicamente correta, eu me mantenho magra!

RUTE disse...

Portugueses "analfabetos" e inconscientes é o que há mais.

Eu fiquei incrédula quando soube da corrida às estações de serviço. Em vez de pouparem combustível, foram queimá-lo, andando às voltas pela cidade ou ficando em filas de espera, enormes, no pára/arranca!

Este acontecimento foi apenas uma amostra do que de futuro vai acontecer: uma guerra pelo ouro negro que se transformará numa guerra pela sobrevivência.

Esperemos que as pessoas percebam que tem de passar a depender menos do petróleo e que têm de consumir mais local e produtos da época. Comer o que vem do outro extremo do mundo só faz diminuir mais este recurso findável.

Pedir diminuição de impostos só vai aliviar a carteira, é uma solução ficticia. Aliás, o Governo até devia aumentar mais os impostos porque assim consciencializava mais a população para não gastar combustível ao acaso.

Outro recurso valioso e que devia ser altamente tributado é a água. Como é possivel as pessoas gastarem água sem limite??? Lavarem carros todas as semanas, encherem piscinas 2 a 3 vezes por ano, lavarem pavimentos exteriores à mangueirada????
O que interessa é o dinheiro. Se há dinheiro gasta-se, se não há, poupa-se. Isto é verdadeiramente escandaloso!

Enfim...

http://publicarparapartilhar.blogspot.com/ - visitem o meu blog para conhecerem Culinária Solar, uma alternativa ao forno convencional.

Rita disse...

obg pela dica, rute:)